(In)consciência

Diz-me a consciência que, inconscientemente, fujo quando te aproximas, sinto-me estremecer quando me tocas, quando te colas a mim, provocando os meus sentidos. Ofereces-me segurança quando me envolves nos teus braços, quando me dominas e seguras contra ti com a vontade de quem realmente me quer. E eu, "contrariada", deixo-me dominar e faço-me tua, ainda que falhes na reciprocidade do sentir.
Não consigo nem quero abster-me de procurar os teus lábios, de te sentir envolvido, presente. Sinto-nos pele com pele e arrisco forçar os meus dedos a entrelaçar-se nos teus, insegura da tua reacção. Permito-me sorrir quando te vejo corresponder e deixo-me ser mais um pedaço tua, como se pedaços ainda houvesse para dar. Assim me tens, completa, enquanto te recebo como meu. Talvez, um dia, realmente o sejas.

4 comentários:

  1. QuE esse dia assome rapidamente e te atropele a consciência.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Segui :)
    Deixo aqui o meu primeiro passatempo caso queiras participar :)
    http://diasporadossentidos.blogspot.com/2015/01/1-sorteio-diaspora-dos-sentidos-o-velho.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-vindo :)
      Quando tiver oportunidade passo lá

      Eliminar