Odeio-te

Hoje, só hoje, deixa-me odiar-te.
Deixa-me odiar-te pelas dúvidas que crias, pelos sufocos, pelos apertos no peito. Deixa-me odiar-te pelos sorrisos que me arrancas quando deveria ficar chateada contigo. Deixa-me odiar-te pelas palavras que não me dizes e pelas palavras que disseste. Deixa-me odiar-te por te afastares de mim, por me afastares. Odiar-te por teres desistido de me conhecer, por me quereres obrigar a desistir de ti. Odeio-te por estares longe, por estares longe mesmo quando a distância se anula. Odeio-te pela forma como me desafias, por gostar tanto da forma como me desafias. Odeio-te por seres tudo aquilo que procuro, odeio-te pela forma como me fazes gostar tanto de ti, odeio-te por não acreditares no quanto gosto de ti.
Hoje, só hoje, deixa-me odiar-te, por tudo o que me és e por tudo o que me fazes sentir.

Sem comentários:

Enviar um comentário