Acreditar

Pergunto-me quem sou, o que quero, o que sinto. Será real, uma ilusão, um sonho?
São tantas as dúvidas que se torna impossível pensar nelas, por isso não penso. Esqueço a consciência, o tempo, o futuro, o destino, e sigo em frente com todas as poucas certezas e com as incertezas bem presentes. "O que tiver de ser, será", é inevitável, não podemos fugir, adiantará pensar e repensar algo que não será, de certo, como imaginamos? A vida acabará por nos surpreender, por nos mostrar caminhos que não conjecturamos e acabaremos por nos sentir perdidos e por não aproveitar devidamente o que nos foi oferecido. Não quero pensar, não vou pensar. Quero apenas acreditar, acreditar que no final direi "valeu a pena, não mudaria nada" e o único arrependimento será o de não poder voltar atrás e viver tudo de novo.

*republicação; original de 07/10/2013 às 18h21

2 comentários:

  1. Ola :)
    Gostei muito do teu blog!
    Continua o teu bom trabalho.
    Já te estou a seguir espero que possas fazer o mesmo: http://grineslife.blogspot.pt/.
    Beijinhos!

    Grines

    ResponderEliminar