Um final em frases soltas

Sabes? Tiras-me as palavras da alma e instalas-me o silêncio no corpo, sobra a voz sufocada que não consegue libertar-se.

Estas são apenas algumas das coisas que aprendi em 2013:
1 - Não há duas histórias iguais, não procures outra igual a uma que já tiveste, ainda que penses que sentes, não sentes, estás apenas a tentar reencontrar a pessoa que perdeste.
2 - Cada pessoa é única, não a procures noutra pessoa.
3 - Não procures a perfeição, ela não existe, eventualmente terás que te adaptar. Também não és perfeita/perfeito.
4 - Não te precipites em palavras, em sentimentos, não te iludas, não a/o iludas.
5 - Não desistas antes de tentar, de realmente tentar.
6 - Não te afastes de quem te faz bem.
7 - Talvez as atitudes dela/dele sejam despertadas pelas tuas.
8 - Não digas que não se passa nada se não é verdade, não te feches.
9 - Não julgues que realmente conheces alguém, há sempre algo para conhecer.
10 - Se errares pede desculpa.
11 - Não lhe mintas.
12 - Diz o que sentes, diz-lhe o que sentes.
13 - Se ela/ele não sai do teu pensamento, sabes o que significa?
14 - Não penses demais, não penses de menos.
15 - As pessoas só dão valor a algo quando o perdem.
16 - Não serás feliz para sempre sem esforço.

(Dóis-me sabias?)
(Devias ignorar o que vês e seguir o que sentes, não, não falo de mim, falo de tudo. Magoas-te a ti e aos outros, sabes que os outros não são marionetas, tu também não o és, não és um objecto que serve para outros atingirem objectivos.)
(Sim, és mesmo boa pessoa, uma das melhores que já conheci, não terias voltado atrás se não o fosses).
(Sabes? Nunca percebes bem o que quero dizer, talvez um dia percebas e me dês razão. Não, não acho que te conheça, olha ali, ponto 9 ;) )
(Pergunto-me se tive algum impacto na tua vida...)
(Sim, sou parva, podia pegar no telemóvel e dizer-te isto tudo, mas para quê? Tu sabes... Não te quero cansar mais com banalidades, aprendi a lição, aprendi mesmo... Pra mim faz sentido terminar esta fase do blog a falar de ti, para ti, ele lembra-me de como tudo começou).
(Não, não é uma despedida, vais continuar a "levar comigo", não admito que saias da minha vida. Estou a aprender sabes, a adaptar-me a ti, não és fácil, não tens sido nada fácil, mas desafias-me, gosto disso. És mesmo fascinante (esta frase é muito minha mas acho que nunca perceberás exactamente porquê)).
(E se te disser que vou mudar o caminho, o meu caminho?).
(Desculpa os bloqueios, não é fácil estar à vontade em situações que não domino, não é fácil mostrar-me em contextos que me são estranhos.)
(Aprendi e cresci muito contigo. Sabes o que me apetecia? Recomeçar, como amigos, sem "aquela" pressão. Não, não te vou pedir isso, estaria a ser muito egoísta, não te quero mais impedir de encontrares alguém que realmente te faça feliz (não te precipites, não te dês só por dar, mas arrisca, com calma, arrisca e serás feliz). Não peço para recomeçar, mas peço e vou pedir sempre a parte do "amigos", vou sempre cobrar a promessa).

Não sei se sou capaz de continuar a escrever aqui. Obrigada a todos os que gastaram um bocadinho do seu tempo a ler o que escrevo. Por agora vou fazer uma pausa, vou continuar a ler-vos, um dia voltarei.

*republicação

Sem comentários:

Enviar um comentário