Destinos

Há vidas destinadas a cruzar-se. Assim ela acreditava quando decidiu desacreditar nas coincidências da vida. Sentiu os olhos humedecer à medida que se desapegava de um presente que, na realidade, há muito era passado. Forçou-se a ver que o que a vida lhe colocara no caminho não teria o papel desejado, seria apenas um meio para algo ainda desconhecido e, por mais que a vontade o não desejasse, por mais dor que lhe causasse, dizia-lhe a intuição, desde cedo apurada, que estava na hora de largar o que insistia em segurar com tanto afinco.
Absorveu-a o silêncio ensurdecedor de fim de tarde, quando já as ruas se viam desertas. Esperava impaciente uma resposta do universo, uma vírgula que substituísse o ponto final que tinha colocado. Sentiu um arrepio quando o sinal lhe chegou em forma de “novo capítulo”, preparado para justificar o passado e transformá-lo em novas memórias. Quis negar-se a entrar no jogo em que a vida a colocava, pode jurar ter visto, numa sequência aparentemente confusa de memórias, o futuro que lhe estava reservado, futuro dependente de um pequeno gesto, de uma resposta. Por entre hesitação e medo, propôs-se enfrentar o perigo que lhe percorria a espinha e, a cada palavra, se mostrou mais e mais disposta a continuar, a descobrir, a dar-se a conhecer…


Esta é a minha história, parte dela talvez (confusos?). Foi o momento que definiu tudo o que sou hoje, uma pequena decisão que me fez escolher um de dois caminhos completamente distintos. Desde então passou mais de um ano e apesar de não estar onde julguei, sinto que estou no lugar certo no momento certo. Não tenho tudo o que quero mas estou feliz com o que tenho... parece-me uma boa forma de fechar 2014.

...

Todos os dias venho aqui, fico a olhar para a folha em branco e as palavras não saem para o papel.
Leio as novidades dos outros blogues, abro as páginas para comentar e acabo por sair sem dizer nada.
Ando assim, sem palavras...

O meu primeiro amor tem banda sonora

Na passada sexta-feira, quando me fazia acompanhar apenas pelo rádio do carro, surgiu a música que me recorda alguém do passado. Dei por mim a recuar 10 anos e a ouvir atentamente com um sorriso no rosto cada verso. Deixei-me embalar, foi como se tivesse voltado atrás no tempo e relembrado todos os sentimentos da altura. Dizem que recordar é viver, posso jurar que, por minutos, revivi grandes momentos, voltei a sentir-me como se ainda pertencesse ao passado, a ele, recuperei as borboletas desse tempo... A música acabou e tudo se desvaneceu, excepto o sorriso e a alegria de saber que o carinho permaneceu.

A.

Hoje não me vou refugiar em textos abstractos, não vou recorrer a histórias ambíguas que misturam o meu passado com o presente e o futuro, não vou alternar num mesmo texto factos reais e os meus sonhos, não vou entrar por reflexões e divagações sobre tudo e sobre nada. Hoje só quero dizer que tenho uma vontade quase incontrolável de lhe ligar, por motivo nenhum, talvez para ouvir a voz dele, ainda que a tenha ouvido há pouco. Apetece-me falar com ele, nem que seja só um minuto. Também sei que seria estranho fazê-lo, ainda que ele saiba o quanto sou estranha, também sei que o provável seria não atender (ou talvez ficasse a pensar que tinha acontecido alguma coisa e atendia preocupado). Tenho realmente saudades das poucas vezes em que falámos ao telefone (e eu que odeio falar ao telefone seja com quem for).
Pronto, era só isto, vou ali continuar com saudades...
A sorte é que ele já nem vem ao meu blog (prefiro nem pensar em tudo o que de mau isso significa e vou ficar pela parte boa).

1 passo

É bom sentir que gostas de estar comigo, que te roubo gargalhadas sinceras, que estás completamente à vontade ao meu lado. Sinto que gostas de conversar comigo, que te sentes cada vez mais livre para dizer o que te vai na alma. É bom saber que te faço bem, que sou a tua rota de fuga, que sou o teu escape do mundo. Gosto de sentir que tens cada vez mais vontade de ficar. Gosto de sentir que faço parte da tua ideia de futuro.
Sei que, de certa forma, já te faço feliz. Deixa-me fazer-te ainda mais.

Pode dar certo se tentares comigo. Sabes tão bem quanto eu que daria certo se tentasses comigo...

...

Dêem-me papel e caneta, quero escrever a continuação da minha história. Quero ser a senhora do meu destino.
Já tenho construídas as personagens que interessam, tenho cenário, tenho drama, tenho dificuldades para ser ultrapassadas... Agora mando eu, quero o meu final feliz :)

Smart Ideas

Quantas vezes atravessamos a estrada com o sinal ainda vermelho? Quantas vezes nos cansámos de esperar e nos colocamos em risco? E se esperar pudesse ser... divertido?

#ideias criativas

Se encontrassem um livro com a vossa história, liam o final?

Porquê? Até onde liam? O que faziam com o livro?

Dos miúdos de agora

É tanta "mania", tanta futilidade, tanto sentimento de superioridade, tanta falta de respeito, tanta falta de valores! Pior ainda é ver que é a própria sociedade a incentivar e a cultivar este tipo de comportamento. Imponham regras, ensinem-nos a agir de acordo com a idade, expliquem-lhes as coisas. Hoje em dia é muito fácil obter informação e o que isso nos traz de bom, traz também de mau, há informação de qualidade mas também há o oposto, como distinguir uma da outra se não há acompanhamento, orientação?
Uma filha minha com 14 anos não há-de ir para a discoteca só porque as amigas vão, não há-de ir para a escola maquilhada como uma mulher de 25 ou andar quase sem roupa (nem aos 14 nem em idade nenhuma), não quero saber se sou a má da fita. E mais, há-de compreender porquê, porque é que não pode, porque é que não deve.
Por favor tentem incutir-lhe alguns valores. Dêem-lhes atenção, passem tempo com eles, conversem com eles. Tentem percebê-los e orientá-los. Epa, tentem, eu sei que não é fácil mas TENTEM!!

* Há excepções, felizmente há excepções!

Memórias escritas

Revi a lista mental de objectos que não podia esquecer, pensei nas paragens que ainda teria que fazer pelo caminho. Peguei na mochila, computador, mala, chave de casa, chave do carro, telemóveis, carregadores, não podia esquecer os carregadores... encher o depósito de gasolina, passar pelo supermercado. Confirmar a morada, colocar o GPS, dizer-lhe que estou a caminho.
Parar. Respirar.
Vai acontecer, finalmente, vai acontecer.

“Adoro-te”, li a palavra mil vezes, outras mil a escrevi. Era sincera, verdadeira e tudo me dizia que assim continuaria a ser, uma simples palavra que me dava tantas certezas.
Liguei o carro, sorri, respirei fundo novamente e fiz-me à estrada. Estava nervosa, muito nervosa, estava prestes a conhecer o rosto que durante aqueles meses não saiu do meu pensamento.
Tive medo do que iria sentir, do que ele iria sentir. E se não fosse certo? Se não nos entendêssemos? Se foi tudo uma ilusão? Ri de mim própria, que seria de mim sem as constantes dúvidas? Tão rápido como apareceram, desvaneceram-se no meu pensamento e voltei a concentrar-me no momento que tanto havia esperado, no momento em que tudo se tornaria real.
Estava cada vez mais próxima. Li a mensagem dele a dizer que tinha chegado, enviei um simples sorriso. Liguei-lhe quando já estava perto, muito perto. Cheguei, parei o carro e liguei-lhe novamente, disse onde estava, segundos depois vi-o a caminhar para mim. Não me lembro do que dizíamos. Sei que ele caminhou até mim, sei que me aproximei dele, sei que fiquei em dúvida sobre como o devia cumprimentar e parei, a poucos centímetros, esperando uma reacção. Por várias vezes falamos sobre isso, sobre como nos iríamos cumprimentar, as hipóteses eram tantas que não fazia ideia do que podia acontecer. Silêncio. Ele viu-me hesitar e logo agiu. Vi no olhar e no jeito dele o que iria acontecer. “Anda cá”, foi o que ele disse, uma expressão banal que para nós, para mim, tanto significava devido à quantidade de vezes que a dizíamos, devido ao contexto em que a dizíamos. Senti a mão dele na minha cintura. Senti-o próximo. Senti os lábios dele colados aos meus. Forte. Intenso. Demorado. Real.

Dia 19

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Diz o nome de uma pessoa que ames.
hmm já disse as pessoas que amava, os nomes não são relevantes.

2. Há alguém a quem gostarias de dar um murro na cara neste momento?
Não, estou bem, não sou violenta (só se forem comigo) e das pessoas que o poderiam merecer só quero distância.

3. Estás chateada com alguém?
Não, a vida é curta demais para guardar rancor...

4. Quantos pares de Leggings tens?
2 ou 3.

5. Quantas camisolas com capuz tens?
Nenhuma!!

(sem) Força

Nunca serei a mulher que precisa de um homem que a proteja porque sou daquelas que se atira para a frente da bala se preciso for, que corre riscos sem sequer se aperceber, que enfrenta o perigo quando todos os outros recuam por medo. Não sou corajosa, só não sinto o medo, o perigo e gosto da adrenalina. Mas também preciso de segurança, preciso de sentir que tenho liberdade para ser eu própria, preciso de sentir que posso ser quem te prometi, ser a mulher que sabes estar escondida aqui dentro, preciso de sentir que me queres ver, percebes? Porque se me confundes ainda mais, se rejeitas os meus avanços, vou começar a recuar, a só avançar quando insistes.

Estás a perder a melhor parte de mim.

Dia 18

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Personagem preferida do filme Harry Potter.
(Isto começa mesmo a perder o interesse -.-). Não tenho, mas a minha melhor amiga adora o Ron e "obriga-me" a saber coisas sobre ele, por isso ficamos com o Ron.

2. Personagem preferida do filme À Procura de Nemo.
hmm o Nemo? (nem o nome das personagens sei...)

3. A primeira pessoa com quem falaste hoje?
Mãe.

4. A última pessoa com quem falaste hoje?
O dia ainda agora começou, por isso, logo venho actualizar :p
(Actualização: A última pessoa com quem falei foi a mesma pessoa especial com que falo pela última vez todos os dias)

5. Diz uma pessoas que odeies.
Não odeio ninguém, não vale a pena, só nos faz mal. As pessoas que já me fizeram mal ou tentaram tiveram o que mereciam, fosse pela minha intervenção ou pela intervenção "divina". Nunca gostei de falar mal das pessoas e sempre fiquei incomodada quando outros o fazem, principalmente de uma forma constante. Não sou santa, sei ser bastante fria e vingativa, mas depois esqueço (se calhar às vezes o problema é que esqueço mesmo as porcarias que me fazem).

Dia 17

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. De que cor são as tuas calças?
São de ganga azul escura.

2. Série preferida?
hahaha não tenho, vejo muitas, sério, muitas, mas pronto, hoje vamos eleger The Vampire Diaries e Supernatural.

3. Filme preferido?
Talvez "August Rush", se me conhecessem perceberiam porquê.

4. Harry Potter ou Twilight?
Hmm Twilight? (sou um desastre, eu sei)

5. Harry Potter ou The Hunger Games (Os Jogos da Fome)?
Ainda não vi The Hunger Games (sim, já sei, desastre), por isso não sei.

Dia 16

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Animal favorito?
Cão.

2. De que cor é a tua roupa interior?
hahahahaha branco e rosa -.-

3. Chocolate ou Baunilha?
Chocolate :p

4. Sabor preferido de gelado.
Eu sei lá... Gosto de todos os sabores, mas depende do tipo de gelado e, às vezes, da marca. O último que comi era de frutos vermelhos, tão bom!!!

5. Qual é a cor da camisola que estás a usar?
É uma camisa cinzenta e branca.

Dia 15

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Tens desejo de alguma coisa? O quê?
Desejos tenho tantos... Para mim, para as pessoas de quem gosto, para o mundo... São desejos que se confundem com objectivos e que englobam planos para os atingir. Neste preciso momento, desejo um quadradinho de chocolate, pode ser? (ou um tablete inteira haha)

2. De que cor são as tuas toalhas?
Que raio de pergunta... tenho branca, beje, rosa, verde, azul, castanha... sei lá...

3. Com quantas almofadas dormes?
Umazinha.

4. Dormes com animais de peluche?
Nop, nunca dormi com animais de peluche, mas tenho alguns no quarto.

5. Quantos animais de peluche achas que tens?
Ui muitos.

Dia 14

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Gostas mais dos teus amigos virtuais do que dos teus amigos reais?
Não tenho amigos virtuais. Já conheci pessoas através da Internet, só dois é que se tornaram amigos. Um afastou-se, o outro continua na minha vida virtual e real.

2. Facebook ou Twitter?
Facebook.

3. Twitter ou Tumblr?
Blogger :p

4. Estás a ver TV neste momento?
Não, estou a responder a isto.

5. Nomes dos teus melhores amigos?
Hmm não vou dizer... Mas as iniciais são R, E, M, P, J, J e A.

Dos erros

Não sou capaz de ficar calada a remoer as palavras que me dizem, não sou capaz de deixar simplesmente passar em branco alguma situação que me magoou. Quando não gosto de determinadas acções ou palavras digo-o, na esperança de que a outra pessoa compreenda o meu lado e não repita o que, a meu ver, foi um erro. Da mesma forma, gosto que me apontem as minhas falhas para que as possa corrigir.
A maioria das pessoas não admite os erros, esconde-se por detrás das ditas "desculpas esfarrapadas" ou tenta colocar as culpas noutros quando sabe perfeitamente que não agiu da melhor forma.

E é por isto que não consigo conter as lágrimas quando me pedes desculpa, quando mostras que me ouves, que me percebes, é nessas raras vezes que sinto que me valorizas, que te queres adaptar a mim. E mudas e tentas e consegues, por mim, por nós, porque eu sou a estranha que aceita coisas difíceis de aceitar e se magoa com as coisas mais simples. Às vezes acabo a sentir-me culpada por te "acusar", mas se te confronto é porque me importo, porque quero perdoar e esquecer... Sou assim, fria e hiper sensível, nem eu me percebo.

Não estou habituada a que me peçam desculpa ou que me agradeçam, normalmente "obrigada" e "desculpa" são duas palavras que ouço em conjunto, quando me afasto das pessoas, porque só depois de me perderem percebem o meu valor. Uma das coisas que mais admiro é esta capacidade de reconhecer que não somos perfeitos, que também erramos, é o tentar mudar os nossos comportamentos para nos tornarmos seres humanos melhores.

Dia 13

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Já foste expulso/suspenso? Porquê?
Não, estar com a cabeça noutro lugar ainda não é motivo para expulsão, por isso...

2. Já foste preso? Porquê?
Nop.

3. Já amaste alguém?
Sim... pais, afilhada, padrinhos, um primo que é quase um irmão para mim, amigos mais próximos...
Em relação ao tipo de amor a que a pergunta se refere (penso eu), sim, amei/amo 3 pessoas.

4. Conta-nos a história do teu primeiro beijo.
Hmm tenho dois primeiros beijos e agora? :p
O primeiro mesmo foi na escola atrás do pavilhão de Educação Física (ainda era uma miúda), ele gostava de mim e eu também gostava dele mas não queria admitir, então os nossos amigos levaram-me até lá e ele estava à minha espera. Sentei-me para conversar um bocadinho e ele acabou por me roubar um beijo. Foi um beijo muito rápido, meio a medo e eu acabei por fugir dele.
O primeiro beijo mais a sério foi relativamente recente, foi perfeito e não vou contar :p

5. Tens fome neste momento?
Tenho, só comi uma barra de cereais às 8h45 e nunca mais chega a hora de almoço :/

Dia 12

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Cor preferida?
Depende do que estejamos a falar, mas, no geral, gosto de azul e preto.

2. Comida preferida?
Não tenho uma comida favorita, gosto de massas (hoje o meu jantar vai ser massa com legumes salteados, é uma forma de não os deixar estragar).

3. Última coisa que comeste?
Chocolates :p

4. Primeira coisa que comeste esta manhã?
Cereais com iogurte.

5. Alguma vez ganhaste uma competição? De quê?
Hmm nada de importante. Já ganhei competições de atletismo e futebol (esta última em equipa claro) na escola, hip-hop (em grupo), ganhei um concurso de escrita (na escola também ganhei alguns), os prémios de mérito do secundário e faculdade contam? E acho que é só...

Dia 11

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Alguma vez desejaste ser outra pessoa?
Hmm penso que não, gosto de ser quem sou.

2. Uma coisa que desejavas mudar em ti?
Só uma? Tirava as olheiras, por exemplo, não consigo eliminá-las por mais horas que durma, já nasci com elas de certeza...

3. Marca preferida de maquilhagem?
É aquela que está em promoção quando um produto acaba e tenho que substituir :p Às vezes também me apetece comprar igual ao anterior porque gostei dos resultados, outras vezes apetece-me experimentar algo novo, é pro lado que estiver virada... não tenho marcas favoritas, também não ligo muito a maquilhagem.

4. Loja preferida?
Mas loja de quê? A pergunta é tão abrangente... Gosto da H&M porque se encontram coisas muito bonitas e em conta e num estilo semi-formal que é o que uso mais, FNAC (deve ser mais por causa do cartão), Primark pela variedade e preço claro (se bem que às vezes a confusão me chateia), lojas dos chineses porque há sempre algo que precisamos e eles têm barato (tipo post-its, sei lá), Continente pela variedade também, Livrarias (todas, venham elas :p ),... Como respondi da última vez: Centros Comerciais, porque têm estas lojas todas e mais algumas.

5. Blogue preferido?
O meu, claro, ninguém me compreende melhor que a Mar :p

Dos dias em que não penso em mim

Há dias em que gostava de carregar os teus pesos, libertar-te de todos os problemas e angústias, eliminar os dias maus e roubar de ti apenas sorrisos. Se o soubesses não me deixarias, ainda assim, em segredo, tento e peço os teus problemas para mim, desejo com todas as forças que sejas feliz e proponho-me acreditar que, de algum modo, os meus pensamentos terão a força necessária para estares mais perto de o ser.
Sei que não sou o que precisas, mas tento cumprir da melhor forma o papel que me deste. Talvez, por vezes, tente ser mais, talvez me embrenhe demasiado na tua vida (é difícil distanciar-me quando tudo o que te acontece tem tanto impacto em mim), talvez exija demasiado de ti...
Estamos a pouco mais de 2 meses do final do ano e receio que o meu desejo para 2014 não se concretize. Há dois anos, inconscientemente, pedi-te, sem sequer saber da tua existência, o ano passado o meu desejo foi por ti, para ti, tinha esperança de que, tal como o outro, se realizasse. Queria tanto que se realizasse, mesmo que isso implicasse perder-te (o que é muito provável), mas, sabes, que se lixe! Poderias finalmente dedicar-te a ti, ser feliz, que posso pedir mais? Eu? Vou cair e levantar-me, como sempre e, de alguma forma, também aprenderei a ser feliz.

Dia 10

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Qual é a tua paranóia?
Insistir em querer compreender o sentido da vida, dos acontecimentos, das ligações, do destino,...

2. Já alguma vez estiveste ganzado?
Não.

3. Já alguma vez estiveste bêbedo?
Não, alegre só.

4. Fizeste algo recentemente que esperas que ninguém descubra?
Não, há várias coisas que guardo para mim e que não quero partilhar, a vida é minha, as decisões são minhas, ninguém tem nada que ver com isso, mas se outros descobrirem não há problema.

5. Qual é a cor do última camisola com capuz que usaste?
Hmm... acho que nunca usei nenhuma... estranho...

Dia 9

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Acreditas que toda a gente merece uma segunda hipótese?
Não, só os que lutam para a conseguir. Só dou segundas hipóteses a quem me provar que as merece.

2. Se estiveres extremamente quieta, o que significa?
Que estou triste ou magoada com algo ou alguém.

3. Sorris a desconhecidos?
Frequentemente.

4. Preferias fazer uma viagem ao espaço ou ao fundo do oceano?
Hmm talvez ao fundo do oceano... deve ser muito bonito mas não é algo com que sonhe...

5. O que te faz sair da cama de manhã?
Saber que ainda tenho muito para viver, para conquistar, muitas marcas para deixar no mundo.

Dia 8

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Já alguma vez gostaste de alguém e nunca lhe disseste?
Só gostei a sério de 3 pessoas. Ao primeiro disse mas ele não acreditava que eu podia gostar dele; ao segundo não disse mas ele sabia, o objectivo não era disfarçar, era fazer com que ele me notasse de alguma forma; ao terceiro, o terceiro sabe, se calhar digo-lhe vezes demais...

2. O que dizes durante silêncios constrangedores?
Estou a tentar lembrar-me de alguma situação destas mas não encontro... se calhar é porque não encontro desconforto no silêncio. A verdade é que também não costumo ficar sem tema de conversa, tenho sempre algo a dizer, há momentos de silêncio mas nem todos são constrangedores, às vezes parar de falar também é bom.

3. Descreve o teu rapaz/rapariga de sonho.
Inteligente, atrevido, com um talento especial; que me consiga prender durante horas numa conversa agradável; que consiga compreender que a verdade é sempre preferível, por mais horrível que pareça vou aprender a lidar com ela; alguém que me queira realmente conhecer e que se esforce por compreender as minhas decisões e motivações por mais absurdas/estranhas/antagónicas que pareçam; alguém que aprecie o facto de eu o tentar ajudar, confortar, compreender; alguém que me valorize; alguém que me ame. (Chega? Se alguém o conhecer pode enviar para minha casa :p )

4. Quais são as tuas lojas preferidas para fazer compras?
Continente? haha Não tenho lojas favoritas, gosto, por exemplo, de centros comerciais porque têm uma grande variedade de lojas, desde lojas de roupa, calçado, acessórios, a livrarias, cinemas, restaurantes, ... (daí o continente, é pela variedade :p )

5. O que queres fazer depois da universidade?
Já estou a fazer. Estou a trabalhar na minha área, tenho bastantes responsabilidades para uma estagiária (demasiadas até tendo em conta que, neste momento, por exemplo, se me atrasar no meu trabalho toda a empresa se atrasa), gosto do sítio onde trabalho, das pessoas. Agora é continuar a esforçar-me para garantir o meu lugar ali, depois é fazer crescer a empresa e crescer com ela... Para já, a curto-prazo, é isto, depois logo se vê, ainda estou a aprender como tudo funciona.

Da inconstância dos dias

Nos dias em que me sinto mais frágil consigo ver dentro de mim, como se todas as barreiras e camuflagens que crio para me proteger adquirissem transparência. É nesses dias que me apercebo do quanto consigo ser forte, ainda que os momentos em que a força escasseia sejam cada vez mais recorrentes. Nesses dias consigo descortinar os milhares de pedaços em que se divide o meu coração, nos dias restantes os olhos vivem embaçados, criando a ilusão de que permaneço inteira. Há dias em que me fazes deixar de acreditar que alguém se poderá interessar por mim, fazes-me perder a confiança, fazes-me ver alguém diferente no espelho. Há dias em que me sinto "ninguém". Há dias em que destróis um bocadinho mais de mim. Há dias em que me fazes mal, mas até nesses continuo a querer estar contigo. Custa-me admitir que, um dia, me deixarás completamente destruída e não faço ideia de como vou conseguir lidar com isso.

( - Não, não está tudo bem).

Dia 7

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. O teu cabelo é comprido o suficiente para fazer um rabo de cavalo?
Yap, mas provavelmente em Dezembro deixará de ser... Veremos.

2. Com que celebridades fazias um ménage à trois?
Sério? Nenhuma!

3. Escreve o teu nome com o teu queixo.
(e eu a pensar que isto era uma coisa séria... next!)

4. Praticas desporto? Que desporto?
Nada de nada, tenho que mudar isso mas com este frio perco a vontade toda. (A sério, eu até era uma rapariga que fazia desporto... ginástica, dança, atletismo, futebol,...)

5. Preferias viver sem TV ou sem música?
Que piada tem a TV sem música? Ver séries, filmes, telenovelas, (até publicidade) sem música... não dá.

Dia 6

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. O que é que fazes quando acordas?
Penso "já? quero dormir mais", viro para o outro lado, costuma vir-me à memória o sonho que estava a ter, normalmente acabo por adormecer de novo :p Quando a saga "adiar o despertador mais 10 minutos" termina faço o que todas as pessoas fazem: abrir os olhos de vez e tirar o rabo da cama.

2. Preferias que a tua pele fosse mais clara ou mais escura?
Mais clara não deve ser muito fácil, se fosse para alterar teríamos obrigatoriamente que escurecer. O tom de pele não me causa transtorno, está bom assim.

3. Com quem te sentes mais confortável?
Não me sinto desconfortável com ninguém, sou sempre eu própria quer gostem quer não, só doseio a quantidade de mim que dou a cada pessoa. Há sim situações que, por serem experiências novas, me deixam mais desconfortável, mas é tudo uma questão de adaptação, gosto de novidades (sim, boas ou más, temos que aprender a lidar com tudo).

4. Algum dos teus exs disse-te que se arrependia de terem acabado?
A haver "ex" foi um, sinceramente não sei se conta... anyway, fui eu que acabei porque ele não cumpriu uma promessa que me fez, continuamos amigos (só) depois disso, entretanto perdemos o contacto, recentemente voltamos a falar e ele já me pediu desculpa por isso, por ter agido mal comigo, disse que talvez as coisas tivessem sido diferentes. Conta?

5. Alguma vez queres casar?
Sim, quero. Não me interessa se as pessoas dizem que o casamento é só um papel, sim, é só um papel, mas fascina-me toda a cerimónia associada, todas as tradições, é o gritar ao mundo que escolhemos aquela pessoa para o resto das nossas vidas. Sempre, desde que me lembro, quis casar, é, talvez, a minha única futilidade. A maioria das pessoas hoje vê o casamento apenas como mais um gasto e sei que o investimento é enorme, mas fazer o quê? Encarem como um dos meus sonhos, porque é o que significa para mim, é importante para mim como tantas outras coisas simples que a maioria das pessoas não compreende. "Só" falta encontrar a pessoa que vai passar o resto da vida a aturar-me. "- E se ele não quiser casar?" Se não quiser não casamos, não será por isso que vou abdicar do homem da minha vida, mas que me parte um bocadinho o coração isso parte...

Nos teus (a)braços

Lê-me nas entrelinhas dos olhares furtivos que te lanço quando repouso a cabeça no teu ombro. Confirmo a tua presença em intervalos regulares, instintivamente tento impedir que te disperses, quero-te completamente ali, corpo e mente.
Insisto em aproximar-me ainda mais quando fisicamente é já impossível fazê-lo, aperto o teu corpo contra o meu por medo de que te soltes e não mais queiras encaixar-te em mim.
Hoje gostava que estivesses aqui, simples assim, gostava de novamente experimentar o teu abraço, de estar contigo, apenas estar, sem que palavras fossem necessárias.
Ambos sabemos que subsisto em medos e inseguranças que luto para contrariar, esforço-me por esquecer os motivos pelos quais não pode dar certo entre nós, mas sentir-me-ás tremer de cada vez que os teus olhos encontrarem os meus e a tua pele entrar em contacto com a minha, ainda assim, não há melhor sensação do que a de poder tremer nos teus braços.
Não quero pensar no futuro, apenas no agora e, agora, gostava que fôssemos felizes.

Dia 5

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Quais são os teus maus hábitos?
Roer as unhas; pensar demasiado e a uma velocidade estonteante.

2. Onde gostarias de viajar?
O mundo inteiro conta? Viagens de sonho: EUA, Japão e toda a Europa (sim, Portugal também, conheço pouco ainda).

3. Tens problemas de confiança?
Não, costumo saber instantaneamente em quem devo confiar e até onde posso confiar. Há 7 pessoas a quem confiava a minha vida se fosse necessário.

4. Qual é a tua parte preferida da tua rotina diária?
As conversas nocturnas.

5. Com que parte do teu corpo te sentes mais desconfortável?
Não me sinto desconfortável com nada, há muitas coisas das quais não gosto mas isso não me faz ficar desconfortável.

Dia 4

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Beijavas novamente a última pessoa que beijaste?
Sim. (Chega ou é preciso explicar porquê?)

2. Achas que há vida noutros planetas?
Há vida noutros planetas. E sim, também acredito que haja algures no Universo seres semelhantes aos humanos, ainda há tanto para descobrir porque não? Tal como ouvi algures "não haver, seria um desperdício de espaço".

3. Ainda falas com a tua primeira paixoneta?
O termo "paixoneta" confunde-me... se falamos da primeira pessoa que, de alguma forma, me despertou interesse, cumprimento-o quando passo por ele na rua; se falamos da primeira pessoa de quem gostei mais a sério, retomei o contacto com ele há pouco tempo e sinto-me à vontade a falar com ele como se não tivesse passado tempo nenhum, as conversas acontecem raras vezes mas é o suficiente para manter a amizade.

4. Gostas de banhos de espuma?
Há alguém que não goste? Isto deu-me uma ideia...

5. Gostas dos teus vizinhos?
Não sei responder a isto... Não mantenho um contacto próximo com os meus vizinhos. Somos simpáticos uns para os outros mas não somos amigos...

Dia 3

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. O que diz a mensagem mais recente que enviaste?
Tirando as mensagens de trabalho (destas, a última deve ter sido "ok, já lá vou ter"), pasmem-se, a última mensagem enviada diz: "Beijinho".

2. Quais são as tuas cinco músicas preferidas neste momento?
Esta é das perguntas mais difíceis que me podem fazer, tudo o que tenha que ver com hobbies é o caos, isto porque tenho gostos muito versáteis e não me "prendo" a nada, mas vamos lá dizer 5 músicas...

Sara Paço - No Love Is Right Or Wrong
Ry Cuming - Always Remember Me
Ella Eyre - Love Me Like You
Mimicat - Tell Me Why
Arctic Monkeys - Do I Wanna Know?
Breaking Benjamin - Diary of Jane (acustic version)

(pronto, foram 6 e tudo :p)

3. Gostas quando as pessoas brincam com o teu cabelo?
Quando me mexem no cabelo costumo ficar arrepiada, pode ser um arrepio bom ou mau, depende de quem mexe, como mexe, etc...

4. Acreditas em sorte e em milagres?
Acredito que fazemos a nossa própria sorte e os nossos próprios milagres. Pensamentos/actos bons atraem coisas boas, sempre ouvi dizer.

5. Que coisas boas aconteceram este Verão?
Aconteceram coisas boas mas nada de novo ou digno de relevo. As grandes mudanças deram-se em Abril, o conseguir emprego, voltar a estar com alguém especial, ... os meses seguintes foram um processo de conquista pessoal e profissional, todos os dias luto para ultrapassar barreiras e me tornar melhor a todos os níveis.

Dia 2

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Por que tipo de pessoa te sentes atraído/a?
Ui, pergunta difícil... eu tenho a estranha "capacidade" de olhar para uma pessoa e saber, instantaneamente, se a pessoa vale ou não a pena (e acreditem que não tem mesmo nada que ver com o aspecto físico). É complicado enumerar características, mas... no "amor" eu tenho um tipo:
homens inteligentes, atrevidos e com um talento especial que me cative (e aqui há inúmeras possibilidades). Todos os homens de quem gostei (poucos mas bons :p) tinham estas características, nem todas as pessoas que conheci com estas características me despertaram interesse, portanto... é complicado. Nas amizades não gosto de pessoas mentirosas, hipócritas e fúteis; acho que para construir grandes amizades basta que as pessoas sejam capazes de ser amigas no verdadeiro sentido da palavra. Ah, os meus amigos têm que ter uma pitada de loucura, claro :)

2. Achas que vais estar numa relação daqui a dois meses?
Gostava mas não me parece... acho que já fico feliz se as coisas ainda se mantiverem como estão actualmente.

3. Quem, do sexo oposto, está nos teus pensamentos?
A pessoa que me consegue roubar sorrisos com um simples "olá" mesmo quando quero ficar chateada com ele...

4. Falar de sexo deixa-te desconfortável?
Nop, normalmente o assunto não surge com seriedade... a sério só falo disto com uma pessoa.

5. Quem foi a última pessoa com quem tiveste uma conversa profunda?
Com a minha melhor amiga (é, sou daquelas que tem a amiga a quem conta tudo, ou quase :p ), precisava de desabafar, de partilhar algumas coisas que tenho vindo a guardar para mim sem me sentir mal ou culpada pelas minhas escolhas e sei que ela não me iria julgar. Conhecemo-nos há 8 ou 9 anos e sei que quando for velhinha lhe vou enviar mensagens a dizer o que me dói e a queixar-me dos cortes na reforma :)

Dia 1

*Desafio 30 Dias ~ 5 Perguntas

1. Quem foi a última pessoa a quem deste a mão?
À minha afilhada, tem quase 21 meses, é a bebé mais linda do mundo :p

2. És extrovertida ou tímida?
Não sou tímida, sou calada, gosto de ter tempo e espaço para me entregar aos meus próprios pensamentos, para viver um bocadinho no meu mundo. Sei ser bastante extrovertida quando estou à vontade com as pessoas, quando estou feliz, quando gosto das pessoas com quem estou. As excepções são quando me sinto pressionada de alguma forma (aí volto para o meu mundo, para os meus pensamentos) e quando estou magoada ou desiludida (fico quieta e calada, só abano a cabeça para dizer "sim" e tento conter as lágrimas) - claro que isto só funciona com as pessoas que são realmente importantes para mim.

3. Quem é que mais anseias ver?
Os meus amigos da faculdade, já não os vejo há muito tempo mas falta pouco para estarmos juntos novamente, e alguém que vi há relativamente pouco tempo mas que já parece tempo demais (ai estas noções do tempo...).

4. É fácil lidar contigo?
Sim. Não sei desenvolver esta pergunta... as pessoas normalmente simpatizam comigo, estou sempre disponível para ajudar mas não sou de me "dar" a qualquer pessoa. Poucos são os que me conhecem e lidam realmente comigo, tento fazer o melhor que posso por essas pessoas, se precisar de dar o braço a torcer, dou, se sentir que preciso de pedir desculpa, peço. Tento ser compreensiva, colocar-me no lugar dos outros e aconselhar até onde souber. Se tenho sempre sucesso? Não, às vezes sou mal interpretada, cometo milhares de erros, mas no final as coisas resolvem-se porque são pessoas que me conhecem, que confiam em mim. (Ok, como todas as pessoas, tenho dias péssimos em que quem puxar por mim leva com o mau humor, a parte boa é que normalmente percebo quando estou assim e faço os possíveis para não descarregar em quem não tem culpa).

5. Se estivesses bêbedo/a, a pessoa de quem gostas cuidaria de ti?
Se estivesse comigo sim, tenho a certeza que sim.

30 Dias ~ 5 Perguntas

Vi este desafio no blog Encontramos em Veneza (o post original do desafio pode ser encontrado aqui) e consiste em responder a 5 perguntas por dia durante 30 dias. Como este blog tem andado mais parado, essencialmente por falta de inspiração, e por ter noção de que os meus posts primam por retratar o que acontece comigo e o que sinto de uma forma bastante indirecta, vejo este desafio como uma oportunidade de vos dar a conhecer um bocadinho mais da Mar, mais de mim. Sintam-se à vontade levar o desafio convosco, para fazer perguntas, para o que quiserem, façam de conta que esta casa também é vossa :)

Dia 1       Dia 2       Dia 3       Dia 4       Dia 5

   Dia 6       Dia 7       Dia 8       Dia 9       Dia 10

   Dia 11     Dia 12     Dia 13     Dia 14     Dia 15

   Dia 16     Dia 17     Dia 18     Dia 19     Dia 20

Piano, pianíssimo

Quando as palavras forem insuficientes para nos permitir dizer o que sentimos, ouvirei os teus pensamentos piano, pianíssimo como se palavras tuas fossem murmuradas ao meu ouvido. Quando tiveres receio de me tocar, fecharei meus olhos e sentirei o suave toque das tuas mãos no meu rosto. Quando me olhares e o tempo perder o sentido, saberei que o mundo parou para me deixar saborear cada segundo a teu lado. Quando a tua ausência for impossível de suportar, chegarás ao início da noite e apoderar-te-ás de mim, como sempre fizeste, como sempre farás. Ainda que inconscientemente, no delírio incontornável dos meus sonhos, pegarás na minha mão, poderei senti-lo, e sussurrar-me-ás doces palavras de consolo. Quando não mais for capaz de respirar, sentirei o cheiro do teu perfume ao meu redor. Quando não mais for capaz de ouvir, sentirei a música das tuas palavras, a melodia do teu amor. Quando não mais for capaz de viver, sentirei a tua presença e saberei que sempre estiveste a olhar por mim, discreto como uma nota que, na imensidão da pauta, é tocada piano, pianíssimo mas, sem ela, a melodia não teria sentido.

*republicação; original de 24/07/2013 às 14h18

Do filme que somos

Inspirada pelas memórias que prevalecem dos nossos encontros construo cenários encadeados entre si, formando o filme que é a nossa história. Perco-me nos diálogos quase infinitos que sustentaram dias de conversas, releio os sentimentos descritos e observo o teu sorriso involuntário perante as minhas observações (im)pertinentes. Sinto-te próximo como nos escassos dias em que pude sentir o teu corpo junto de mim e agarro-me à esperança de não ter que te deixar ir.
As cenas sobrepõem-se a uma velocidade estonteante, tantas são as memórias ignoradas, esquecidas, tidas como irrelevantes quando para mim significam tanto. É o preço a pagar por querer contar a nossa história, não consigo condensar tudo num espaço tão curto. Talvez não saiba falar de nós, por isso nunca ninguém saberá tudo, somos um segredo bem guardado, falta-nos, apenas, construir o nosso final.

Palavras

Quanto valerão as palavras se não forem acompanhadas por gestos condizentes que comprovem a sua veracidade?
Continuamos a apaixonar-nos por palavras talvez porque, no fundo, desejamos tanto que sejam reais...

Não sou perfeita

"Não sou perfeita". Neste momento é, talvez, a única certeza que tenho sobre mim. Não sou perfeita, aliás, tudo o que sou são imperfeições. Nunca fui de me importar com opiniões alheias ou com o que a sociedade tenta padronizar, sempre me conheci bem, sempre soube quem sou, tinha consciência dos meus defeitos, fraquezas, mas também das minhas qualidades, do que me poderia distinguir na multidão. Agora sinto-me completamente perdida, deslocada. Eu tento e luto e volto a tentar mas nunca acerto, não consigo fazer as coisas bem. É tão frustrante... sempre tive uma auto-estima, hmm, equilibrada (?), tem estado a cair e sei que, a longo prazo, talvez isto venha a ser um problema. Sinceramente, não consigo perceber porque é que alguém se poderia interessar por mim, cada vez tenho mais consciência de que sou um completo desastre.

...

Queria adormecer e só voltar a acordar daqui a uma semana. Desligar-me da realidade e de mim mesma. Perder parte da consciência e do que sinto.

Confusão de sentimentos


Por não querermos sentir, poderemos sentir sem o saber?

Porque sinto sem fazer sentido

Quando as palavras se gastarem vou dar voz aos sentimentos.
Consegues ler os meus silêncios, as minhas fugas deliberadas ao teu olhar? São sentimentos que luto para esconder, mas que ambos sabemos que estão lá. Um dia vou deixá-los sobressair. Conseguirás lidar com tudo o que sinto? Terás noção do quanto significas para mim?

Da humanidade

Os maiores problemas das pessoas centram-se na indecisão, no medo e na pressa. Não sabemos o que queremos ou teimamos em negar o que queremos por medo e ainda assim temos pressa em avançar, em chegar àquele lugar repleto de felicidade, mas esquecemo-nos de que a noção de felicidade difere de pessoa para pessoa, esquecemo-nos de definir o que, para nós, significa a felicidade e "corremos" rumo a algo que nem sequer sabemos o que é e assim nada muda.

Como muitas vezes digo, a vida é simples, as pessoas é que são complicadas.

Quem conta um conto...

Visitavam-na madrugadores os primeiros raios de sol, extravasavam pela pequena frecha da janela que havia, uma vez mais, sido esquecida entreaberta. Os olhos acostumaram-se à claridade, interrompendo o sono e o sonho que mantinha um sorriso no seu rosto. Há muito que vivera dos sonhos, em pesadelos transpostos para a realidade, assomando aos seus dias uma capa de escuridão da qual teimava em não se separar. Cobriu-se, na expectativa de prolongar um pouco mais esta sua abstinência do mundo. Sentiu-se só, alheada da realidade, mas esta solidão não se limitava ao teor psicológico, estendendo o braço apercebeu-se de que estava, de facto, sozinha.

*Se houver paciência desta vez, este é o início de um conto... veremos se terá fim.

És música em mim

Reconhecerei o teu toque quando os teus dedos percorrerem ao de leve o meu corpo, dedilhando uma sinfonia inaudível mas perfeitamente ritmada. O meu coração ditará o compasso, percorreremos todos os andamentos, do adagio ao presto, lançando notas ao vento, trauteando melodias em gritos e gemidos personificadas. Saber-te-ei meu quando os teus lábios ditarem em surdina o meu nome, abafados pelo contratempo das respirações demasiado indiscretas. Entre pausas e cadências prolongamos a melodia, com sorte seremos, para sempre, mais uma peça inacabada.

Do que tens medo?

"Experience the power of a bookbook"

Numa era cada vez mais informatizada, esquecemo-nos do prazer que as velhas "tecnologias" nos podem oferecer.
Hoje falamos de livros, mas o foco principal são realmente as pessoas.

#ideias criativas

Receio

Receio de que tudo o que eu possa fazer te traga lembranças de momentos passados. Queria ter-te como novo, fazer-te esquecer esse passado quando estás comigo, se não for assim serás apenas fragmentos do que foste, não serei capaz de te ter por inteiro e tu não terás tudo de mim.

Invisível

Não sou ninguém, apenas mais uma na multidão. Tudo o que me poderia tornar, de alguma forma, especial, deixou de ter significado/importância. Sou mais uma, oculta nas sombra dos que se destacam através das características que julgava ter. Já me fizeram sentir única e hoje, olhando-me, vejo que os elogios se basearam em mentiras. Se não tivesse querido ser cega, perceberia, não é complicado, os espelhos não enganam e conheço-me suficientemente bem para saber que sou perita na arte de ser insignificante.

Constatações


É mil vezes mais difícil ver-te partir do que esperar a tua chegada.
A partida dura um segundo, a espera pode ser infinita.

Ponto fraco

Há meses atrás perguntava-se se seria forte o suficiente para não ceder aos meus impulsos. Pensava que um ciclo tinha terminado, que não havia retorno e que, mesmo havendo a possibilidade de recuar, seria forte o suficiente para não olhar para o passado. Julguei-me dona de uma racionalidade que não me está intrínseca, julguei-me capaz de abafar o coração. Quanta ingenuidade... vindo de mim que, na maioria das vezes tenho a razão do meu lado, na maioria das vezes consigo enxergar mais além e aproveitar esse saber para "manipular" o mundo a meu favor. Descobri que é verdade que todos temos um ponto fraco, gostava que o meu não fosse outra pessoa.

Porque rir faz bem à saúde


Os fãs de "The Big Bang Theory" já estão habituados a que a personagem "Sheldon" nos presenteie com cenas hilariantes. O excerto que se segue é, para mim, dos mais engraçados de toda a série vejam pelo menos até ao minuto 1:56).

#diálogos criativos

...

Hoje foi dia de karaoke no carro, porque sim, porque preciso de me distrair, de cantar, de me rir da vida. As provas do "crime" serão eliminadas (só não coloco aqui as gravações porque não quero afugentar os poucos (mas bons) seguidores que tenho).

Tenho planos, ideias, tenho medo que não sejam acolhidas com tanto entusiasmo por uma outra pessoa, tenho medo de sentir que o que dou não é valorizado, tenho medo de me iludir novamente. Preciso de algo em retorno para me dar ainda mais... será que ainda tenho algo para dar?
Queria ser melhor, queria ser o que precisas, o que imaginaste, infelizmente sou só o que vês e não vou mudar o que sou.
Mais uma vez vou arriscar, mesmo com dúvidas, com medos. Espero não concluir, um dia, que não valias a pena o risco.

Uma espécie de saudades

Às vezes tenho saudades de coisas que nunca senti, de pessoas que nunca vi, de momentos que nunca tive. São estranhas estas saudades, talvez não lhe deva chamar saudades apesar de o sentimento ser similar. A língua portuguesa é tão rica e não tem uma palavra para isto? Bem, às tantas só acontece comigo...

Todos, menos ela

Quando uma mulher está a começar a ficar triste e com saudades de momentos que não terão repetição tão brevemente quanto seria desejável (ou talvez até não mais sejam repetidos), o que faz? Vê um daqueles filmes com excesso de romantismo para estragar logo tudo. Daqueles carregados de palavras que nunca lhe foram ditas (nem serão) e de um apoio incondicional que nunca lhe foi transmitido porque ela sempre foi a forte, porque ela sempre foi aquela que não se deixava abater, que sempre se esteve a lixar para aquilo que os outros pensam, que sempre esteve presente mesmo que ninguém tenha valorizado isso.
Todos têm um lugar de destaque na vida em que ela se quer destacar, menos ela. Todos recebem apoio, carinho, da mesma fonte que ela queria receber, menos ela. Todos são especiais, menos ela. Ela continua a ser apenas estúpida por querer acreditar que vai conseguir mudar alguma coisa.

*era um telefonema e um abraço, se faz favor. Obrigada.
Sim, estou bem, não se passa nada.

...


Talvez, só talvez, esteja mais perto.

Ando a ver coisas que não devo, com os meus olhos e nos olhos dos outros.

Da passagem do tempo

Os minutos transformam-se em dias. O tudo que eu faço não me permite parar o tempo. E a cada segundo fico mais perto de te perder.
E de te ter? Algum dia estarei mais perto?

Pensar com o coração

Dois corações que se amam e não se têm
Dois corações que se perdem
Envoltos na lembrança do que foram
Do que um dia quiseram ser.

Pudera o meu corpo entregar-se ao teu
Embalado pela sinfonia de um beijo
Comandado pelo desejo materializado
Na imensa vontade de te ter.

Quis meu coração sobrepor-se à mente
Transgredir as leis que me eram naturais
E dar-se a ti por inteiro
Tornando verdadeiro o sonho
Que juntos tínhamos idealizado,
E fazendo renascer em mim a vontade
De me dar, de querer, de arriscar.

Nesta incessante busca pela felicidade,
Nada mais somos que dois seres (re)encontrados
Cujos caminhos se cruzaram
Para não mais se voltarem a separar.


*republicação; original de 12/12/2013 às 18h51
(a poesia não é o meu forte, mas pronto, dá para brincar :) )

Resoluções

Nunca compreendi o que nos tinha acontecido. Agora sei-o, faz sentido.
O que imaginei foi pior, mil vezes pior. Caminhos sem saída, mudanças impossíveis, sentimentos inexistentes, opiniões inalteráveis. Vê lá tu que considerei arrependimentos, mentiras, traições... A minha mente é a minha pior inimiga, nada do que me possas dizer supera o que penso.

Agora posso ser melhor e um dia voltarás a ser meu, como sempre deverias ter sido.

Percebes porque quero verdades? Por mais duras, mais difíceis, não consigo melhorar se não me disserem o que está errado. Tudo sempre dependerá de quem diz, como diz e porquê e tu tens uma posição privilegiada, sabes que te vou ouvir, sabes que considero o que dizes, por isso não te cales, diz.

"Aos 30 vou ser perfeita" - faltam menos de 7 anos.

Confia

Negas que um dia te tive, que o teu coração foi outrora meu. Deste-mo lembras-te? Disseste para cuidar bem dele e eu cuidei, mesmo quando percebi que já mo tinhas retirado e substituído por uma qualquer réplica barata. Continuo a cuidar dele, continua guardado, sem nenhuma mancha, sem nenhuma cicatriz, enquanto o verdadeiro se vai deteriorando dentro de ti, porque não és capaz de mo confiar.
Não és capaz de confiar.
Perceberás tarde demais que me pertences. Terás ainda coração para me entregar, ou apenas pedaços à espera de alguém com paciência para os encaixar, para te tornar inteiro novamente?
Sabes, não sou nada paciente.

Quem sou eu?

"you're strong, stubborn, and passionate. Underneath that tough exterior, there's a soft heart, but you rarely let it show. When you let someone in, though, which you don't often do, you love them fiercely and you fight for them. There's so much love in you, and you just let it out. Once you're committed, you're not going to be the one to give up."

http://www.buzzsugar.com/Which-Grey-Anatomy-Character-You-34767482 - uma pessoa põe-se a brincar e no fim pensa: "olha, acertaram, é mesmo isto".

Sentimentos

Os melhores sentimentos são os que não sabemos colocar em palavras, são os que não conseguimos transcrever num texto cuja ligação entre as palavras faça perfeito sentido. Os melhores sentimentos são os que não sabemos explicar, os que demoramos para reconhecer. São os que não conseguimos compreender, os que nos deixam confusos, os que nos deixam felizes sem razão. Os melhores sentimentos são os que nos causam insónias, os que deixamos transparecer através daquele sorriso aberto que não conseguimos arrancar do rosto. São os que nos fazem reviver nas nossas mentes vezes sem conta os momentos que tivemos (e os que imaginamos um dia ter). Os melhores sentimentos são os que nos permitem sonhar e os que nos instigam a lutar para transformar esses sonhos em realidade. Somos mais fortes porque sentimos.

Cansaço

Estou a ficar cansada, desiludida e cansada. Hoje nota-se nos meus olhos, amanhã talvez se note na alma. Estou cansada de tentar, de dar tudo e não receber nada. Estou cansada de não ser compreendida, valorizada. Devia ser mais fácil, tão mais fácil...

Despedida

Mil vezes ensaiei na minha mente a nossa despedida. Repassei o diálogo, frase por frase, até perder o sentido das palavras. Obriguei-me a associar a tua voz ao texto que criei, obriguei-me a admitir o pior cenário, a "ouvir de ti" palavras de indiferença. Gastei todas as lágrimas nestes pedaços de imaginação, para que nem uma lágrima restasse quando a despedida fosse real. Planeei toda a sequência de movimentos para que as forças não me faltassem. Tentei não deixar ao acaso nenhum dos pormenores, mentalizei-me de que não tinha alternativa. Tinha a minha decisão tomada. Iria despedir-me de ti, de uma parte de nós que tinha decidido deixar no passado e havia tanto, mas tanto que te queria dizer... todos os sentimentos que tinha entalados dentro de mim, toda a mágoa que sempre quis rejeitar, todas as vezes que me fizeste chorar. Tinha tudo planeado. Perfeito, sem falhas, sem poder voltar atrás.
Quando te vi, quando finalmente te tive à minha frente, esqueci-me de tudo. Esqueci as frases e as palavras, esqueci o que tinha planeado, fiquei sem saber o que queria. É fácil quando estás longe, é fácil dizer que não quero, convencer-me de que não sinto. Quando te tenho comigo, não sei disfarçar o tudo que me és. Já notaste o sorriso que deixo escapar quando te vejo? (eu que odeio o meu sorriso). Notaste como os meus olhos brilham quando estás aqui? (talvez não o saibas porque nunca me viste sem esse brilho no olhar).
Houve uma despedida, uma de muitas, mas não a que tinha planeado, não a definitiva. E doeu, mais do que todas as outras vezes. Não deixei que visses, mas as lágrimas caíram mal me deixaste e simplesmente não pude deixar que aquela fosse a despedida.
Dói tanto quando não estás, não tens noção das saudades que me deixas...

1 ano

O meu blog faz hoje 1 ano. Apesar de ter começado com outro endereço, o blog, na sua essência, é o mesmo, foi 1 ano de escrita sem interrupções (não postar durante um dia ou dois não conta :p ).
Posso dizer com total certeza que ter criado o blog mudou a minha vida, as razões guardo-as comigo.

Parabéns a mim :)

Amor amigo

Demasiado real para não publicar (não sei se é o original, se foi adaptado... sei que encontrei algures na internet e é perfeito).

"Quero ser o teu amor amigo. Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amor amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias..."

Fernando Pessoa

Conversas

Há pessoas que nos prendem em conversas, conversas que se arrastam pela madrugada e que nos "roubam" horas de sono. Há pessoas capazes de transformar conversas banais, de lhes dar significado. Há pessoas que todos os dias conseguem ter algo para nos dizer, algo para contar. Há pessoas com as quais conseguimos ter conversas sobre tudo e conversas sobre nada. Há pessoas que realmente nos ouvem, que se interessam, sem fingimentos desnecessários. Há aquela pessoa a quem corremos para contar o que de bom ou mau se passou, ou apenas para esquecermos a vida com uma boa dose de conversa.
Tenho saudades de passar as noites acordada, não importa as horas de sono que perdi.

Chuva

Quando hoje saí à rua e senti gotas de chuva a cair-me no rosto tive o prazer de confirmar que a vida é mesmo irónica e tem um sentido de humor fantástico. Não pude deixar de me rir. Agora falta a segunda parte... Obrigada pelo sinal ;)

(Esqueçam, não é para perceber...)

Quando?

Quantos caminhos irei cruzar até chegar ao teu? Quantos pessoas ainda irei conhecer até me perder no teu olhar, no teu sorriso? Quantas palavras doces me encherão os ouvidos até que a tua voz me preencha o coração? Quantas mãos percorrerão o meu corpo até que possa sentir as tuas, até que possa provar o sabor dos teus lábios?
Quantas mais vezes terei que me dar até que tudo faça sentido?

Futuro

Devia dizer tudo o que sei, tudo o que (pres)sinto, tudo o que vejo... não, não queiram saber, somos mais felizes na ignorância, na ilusão. Ainda que a tentação de saber o que o futuro tem guardado para nós seja muita, não imaginam o quanto é bom nada saber..

De uma amizade perdida take #2

Ontem à noite enviei um e-mail a alguém com quem não falo há muito tempo. Sei que ele o abriu 3 vezes (maravilhas das novas tecnologias), o que se torna completamente desnecessário visto que o e-mail em questão contém apenas uma pequena linha de texto, pelo que não necessita de ser aberto para se ler o seu conteúdo. Pergunto-me se o destinatário não está a acreditar que lhe enviei um e-mail, se não sabe se me há-de responder, ou se não sabe o que responder... o orgulho é tramado!

Da idade

A única coisa que realmente queremos é sentir-nos amados.

Isto hoje tirou-me o sono, pela primeira vez estou a pensar a sério neste assunto, pela primeira vez sinto falta de me sentir amada. Olhando para trás chego à conclusão de que até hoje o que tive foram meras ilusões, pessoas que desistiram de mim ao primeiro obstáculo, pessoas que não foram capazes de me ver como realmente sou, pessoas que se ativeram ao aspecto físico e não perceberam que num rosto de criança está um corpo e alma de mulher.
"Falas como se fosses mais velha", "parece que já viveste tanto", "és tão nova e já sabes tanto", "não tens 35 anos, só se for de maturidade" - ouço estas frases desde os 16 anos, e não, não vivi muito, não sei muito, não cresci assim tanto, apenas me esforço por compreender, por ver, por querer saber mais e a verdade é que consigo. Vou ter sempre os meus momentos de "típica adolescente apaixonada" mesmo já não o sendo, vou ter sempre os meus momentos de "criança", os meus momentos de "miúda que precisa de atenção", mas não é isso que me define. Vão continuar a dizer que tenho 16 anos sempre que for a uma consulta no centro de saúde, vão continuar a ficar impressionados quando disser que já tenho um mestrado, um emprego e que estou a conseguir conquistar o meu lugar no mundo ("mas és tão nova"), se vocês me conhecessem pessoalmente diriam "pela tua escrita pareces mais velha" e acreditem que no último ano a qualidade da escrita tem decaído exponencialmente.
O meu problema vai continuar a ser as pessoas verem uma miúda e esquecerem-se de que existe uma mulher e se é fácil contornar isso? Sim é, é colocar um vestido, saltos altos e caprichar na maquilhagem, simplesmente continuo a insistir para que me vejam como realmente sou e, esporadicamente, torno-me essa mulher e só quem provar que me merece verá a pessoa em que me posso tornar, mas para isso também preciso de segurança, preciso de me sentir amada, preciso de saber que posso cometer pequenos erros sem que a outra pessoa me julgue, sem que desista de mim, porque só se tiver liberdade para tentar me posso tornar mais e melhor.
Às vezes também queria poder ignorar os sentimentos e dar-me sem receios. Se tantas vezes lutei para ser feita de sentimentos fortes, neste momento queria não sentir nada, começar do zero e ir sentindo aos poucos, devagar, porque assim é mais fácil, mais simples, menos doloroso.
Pergunto-me se um dia vou encontrar alguém com quem partilhar a vida, alguém que me ame, alguém que me veja a alma, começo mesmo a duvidar de que isso vá acontecer (sim, pareço uma velha a falar, ninguém diria que tenho 23 anos).

Só um desabafo

Há pessoas mesmo bonitas. Como é que o resto de nós, comuns mortais, podemos competir com aquilo? :(

*Por outras palavras, como é que ele me pode levar a sério, como é que me pode ver de outra forma, se tem tantas hipóteses melhores por aí?
Ok quem quer falar comigo que fale depressa porque estou cansada de deixar cair coisas ao chão. (Estou a ficar com medo de ir lavar a louça!)
(Para quem não sabe, diz-se que se deixamos cair algo ao chão várias vezes é porque alguém nos quer falar e não pode/consegue)

Uma vez mais, coincidências

Uma palavra nada comum enchia-me a mente, relembrando-me de quem, no passado, a transformou numa história. Estavas deitado ao meu lado quando me contaste o teu sonho mascarado de projecto e eu, atentamente, ouvi, como sempre faço. Não sei o porquê de me ter lembrado meses depois deste episódio, surgiu do nada enquanto os meus dedos batalhavam com a calculadora. Deixei-me prender por segundos à memória, acordei para a realidade quando pousaram um livro na minha secretária, na capa lia-se a palavra à qual deste um novo significado. Repito: é uma palavra nada comum... quais são as chances de isto acontecer?

Querer

Cedes ao impulso de me ter, entregando-te aos instintos animalescos que regem as tuas vontades mais primárias. Prendes-me, física e mentalmente, comungando da minha rendição. Descobres-me o corpo, contornas-me a pele com a urgência que caracteriza o teu descontrolo, com a certeza de quem sabe o que quer, com a mestria de quem conhece o que procura. Unes-te a mim numa dança invulgar de corpos que se entrelaçam para encontrar um encaixe perfeito, como duas peças de um mesmo puzzle criadas para permanecer unidas. Reajo instintivamente aos teus avanços, ouves-me por cima das respirações ofegantes, dos suspiros, do bater raivoso dos corações, e sabes. Dás-te e recebes-me. Por um momento esquecemos tudo e o tudo finalmente faz sentido. Parasse o tempo enquanto permanece em nós a certeza de que nos queremos e o nosso mundo seria perfeito.
Gosto-te

É só.

Estrada

Estendi-te a mão, à espera que a tomasses como tua e me mostrasses a estrada. Quis conduzir-me pelas tuas orientações e acabei num caminho marcado por buracos. Senti as pedras a arranhar-me, criando cicatrizes no meu corpo. Tropecei em paralelos desalinhados e deixei o salto prender-se nos intervalos. Tive dificuldade em caminhar na lama, perdi o fôlego ao atravessar um pequeno deserto de areia. Perdi a conta às quedas e às vezes que me ergui.
Roguei-te pragas por me colocares obstáculos no caminho, por me levares por estradas tumultuosas quando havia alternativas muito mais agradáveis.
Só mais tarde percebi que não tinhas sido tu a mostrar-me o caminho, não eras tu que me guiavas, era eu que o escolhia, tu "só" me agarraste a mão e me acompanhaste, colocando-me à frente pequenas amostras de felicidade que me instigaram a continuar e, mesmo tendo todos os motivos para partir, permaneceste comigo, por isso hoje me dedico a dar-te motivos para ficar.

Idealizar um futuro (ir)real

Um dia a realidade surpreender-nos-à de tal forma que pensaremos tratar-se de um sonho, um simples sonho em meio a tantos outros que sonhamos e ansiamos tornar realidade. Em cima desse construiremos outros sonhos, outros projectos, faremos planos, mesmo receando nada ser real. Viveremos a história que desejamos, sem contratempos, sem obstáculos. Confiaremos em nós e no destino e construiremos o futuro com base nas nossas aspirações. Seremos mais e melhores, seremos perfeitos nas nossas imperfeições, seremos verdadeiros nas nossas promessas e todos os sonhos serão reais, todos os desejos se concretizarão, todas as palavras serão verdade e toda a felicidade tomará conta de nós.

*republicação; original de 18/09/2013 às 21h09

Caminhos

Moves-te em linhas paralelas aos caminhos que traço, sem nunca abrandar o compasso, abstraído do que se passa à tua volta. Centras-te no teu mundo, nas ideias que criaste, na realidade que concebeste para ti. Quem se interpõe no teu caminho assume um papel na tua jornada, por vezes marcante, outras semelhante ao de um mero objecto que te permite chegar mais longe, que te satisfaz os desejos, os sonhos. Caminhas solitário, decorando os passos, os momentos, em busca de algo que juras ainda não ter encontrado. Esqueces-te de ver, de aceitar que nem tudo é como imaginaste.
Esqueceste-te de olhar para o lado. Estive sempre aqui, sei que o teu olhar me observou, mas nunca foste capaz de me ver.

Relembrando coincidências

No dia 18/12/2013 às 19h40 publiquei este post:

"Disseram-me há 10 anos:
- No dia em que fizeres 18 anos fugimos.

Os 18 anos já lá vão há algum tempo e não fugi, na verdade não levei a sério a proposta. Às vezes lembro-me de quem mo disse... Não sei nada dele há 8 anos, a vida fez-nos perder o contacto. Gostava de o reencontrar..."

No dia 27/12/2013 às 19h44 publiquei esta actualização:

"É engraçado como as coisas acontecem, como tentamos "forçar" momentos e eles acabam pura e simplesmente por acontecer quando querem ou quando tem que ser...

Sobre esta história, meia hora depois de ter publicado o post recebo uma mensagem via facebook de alguém com quem não falava há muito tempo, entro no facebook da pessoa e, do lado esquerdo, onde aparecem os amigos, quem vejo? Exacto, a pessoa do post, a pessoa de quem não sei nada há 8 anos...
Se o tentei procurar antes? Sim, várias vezes, ele confessou que também me tinha procurado sem grande sucesso. Como é óbvio, retomamos contacto, sempre fomos bons amigos e ao falar com ele foi quase como se o tempo não tivesse passado.

Conclusão: as coisas acontecem quando têm que acontecer, engraçado ter sido imediatamente depois de ter publicado o post... Coincidência?"

Isto acontece-me mais vezes do que seria considerado normal...

...

Ouvi hoje as palavras que há meses queria ouvir.
Foi a primeira vez que chorei sem motivo aparente, não pelas palavras em si, mas porque desejava que tivessem sido pronunciadas por outra pessoa.

Obrigada

Porque todas as palavras escritas se resumem numa única frase, uma frase que nunca chegará até ti: "obrigada por seres parte de mim".

Quero mais

A campainha tocou. Por breves segundos e mesmo reconhecendo a impossibilidade do acontecimento, acendeu-se em mim a esperança de te encontrar do outro lado da porta. Mais uma vez iludi-me, ganhei uns segundos de felicidade, mas nada mais que isso. Sabes, preciso de mais, mereço mais.

Do Amor

Há textos que nos roubam as palavras, este é um deles, por isso não resisti a copiar as frases que mais me falam ao coração porque reflectem tudo aquilo que digo vezes sem conta, tudo o que penso, quiçá tudo o que sinto...

"do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há"
"um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia"
"Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?"
"Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto."
"O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição."
"O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende."
"O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser."
"A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe."
"Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem."
"Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir."
"Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também."


Miguel Esteves Cardoso

Pedi-te

Num acesso de loucura pedi-te às estrelas, enquanto vagueava por ruas sem gente, aproveitando os restos de calor que a atmosfera não permitiu eliminar.
Gosto de noites quentes, da solidão das ruas, do céu límpido. Gosto de ambientes propícios ao pensamento e este é um deles, as noites quentes de verão, as ruas desertas, a solidão e a liberdade e a magia e as inúmeras possibilidades da vida, a beleza do mundo e da natureza, o silêncio e os sons, as luzes e a escuridão.
Gosto de observar a lua, sinto-a como pura magia, sempre me lembra de ti, porque também tu és magia, no meu mundo, na minha vida. Quero um dia observá-la contigo, da nossa varanda, enquanto te abraço e repito pela milésima vez o quanto te acho perfeito, enquanto me relembro uma vez mais da sorte que tenho por te ter, por seres meu. Quero poder dizer que és meu, quero poder dar-te o meu mundo, quero poder partilhar a minha vida e tudo o que sou contigo, quero poder fazer-te feliz, por isso te pedi às estrelas, por isso te peço todas as noites, todos os dias… só preciso que me digas, que me deixes ver, quem és?

Coincidências

E se dissesse que a vida não é mais que uma série de eventos desconexos aos quais teimamos em atribuir um sentido? Queremos acreditar no destino, naquela força invisível que nos move e nos coloca em determinado caminho, queremos acreditar que nada é por acaso mas e se descobríssemos que as coincidências são apenas isso, coincidências? Faria diferença?

*"Coincidence is God's way of remaining anonymous." - Albert Einstein

De uma amizade perdida

Talvez não lhe devesse ter dito nada, talvez a data devesse ter passado em branco como tantas outras que ele deixou para trás. Talvez não devesse remexer nesta história, provavelmente trata-se de uma história sem final. Não gosto de histórias sem final, não gosto de coisas mal resolvidas, não gosto quando não consigo esclarecer todas as dúvidas que pairam na minha mente... possuo um imenso leque de dúvidas criado pela minha tendência em questionar sempre tudo, em querer compreender o porquê de todos os acontecimentos, de todas as atitudes, de todas as ligações que a vida conjuga.
Não sei apagar pessoas que um dia foram importantes, não sei desligar sentimentos, não consigo não me lembrar, não ter saudades de todos os pequenos grandes momentos que tive. Não sei esquecer, não sei ficar calada, não sei deixar passar datas em branco e acontece sempre o mesmo: fico sem resposta e sinto-me inútil, sem importância, mesmo que lá no fundo saiba que aquela pequena mensagem lhe despoletou tantos sentimentos como os que me assolaram ao enviá-la.
As pessoas são ingratas, só se lembram do que fazem pelos outros mas esquecem-se do que fazemos por elas, esquecem-se de que às vezes também custa estar lá em todos os momentos, custa esquecer os nossos próprios problemas para apoiar alguém... Tornamo-nos um dado adquirido, um porto seguro e só se lembram da nossa importância quando precisam e deixamos de estar lá.

Pergunto-me se ele sente a minha falta, sei que ele não se abre com ninguém, fazia-o comigo, mas conseguiu afastar-me, como a todas as outras pessoas que se importavam com ele. Sei que está sozinho, como sempre esteve, sei que tem amigos, sim, mas ninguém com quem consiga desabafar, sei que lhe faz falta ter alguém com quem conversar, sei também que nunca o vai admitir, não vai procurar e continuará sozinho, como aliás sempre esteve. Sei que sou estúpida por me continuar a importar, por continuar a querer saber dele depois da forma como se afastou de mim, mas não consigo mudar isso, vou continuar a preocupar-me, a importar-me, a procurar notícias dele. Fomos amigos um dia e ainda que ele não o sinta, vai continuar a ser importante para mim, mesmo depois da forma como me magoou, mesmo depois de ter quebrado a promessa que me fez, mesmo depois de se ter revelado um perfeito idiota, sei que mesmo zangada, se ele precisasse de mim, o ia receber de braços abertos, o ia ajudar mesmo que lhe dissesse mil vezes que o odeio. Há poucas pessoas que são mesmo importantes na minha vida, que já me deram tanto e a essas não consigo fazer mal por muito que me magoem. E é até aqui que vai o meu grau de estupidez...

Estou sempre contigo

Por vezes sinto o teu cheiro, mesmo sabendo que não estás, fecho os olhos e absorvo o teu aroma, imaginando-te ao meu lado. Nesses momentos pergunto-me se estarás a pensar em mim. Será que também me sentes contigo?

Porque somos feitos de passado, ou da falta dele...

Há alturas em que percebo que tenho uma forma de pensar diferente, por isso compreendo que às vezes seja difícil para os outros perceber como pequenas coisas podem ter tanta importância para mim, mas têm e é complicado desvalorizar o que é especial para nós.

Hoje, num pensamento difuso, compreendi o porquê de não me perceberes, a culpa é minha por não te ter contado mais sobre mim, por não te ter dito tudo sobre mim. Escondi-me na desculpa do "não há nada a dizer" e esqueci-me de que a grande explicação para muitos dos meus actos, das minhas reacções é mesmo essa: não haver nada para dizer.

Odeio...

Odeio que decidam por mim, odeio mesmo... se tiver que sofrer que seja por causa de uma decisão minha, não por causa da decisão de alguém que fez o que achava ser melhor para mim. É que nunca acertam... Eu sei o que é melhor para mim, e "melhor" não significa "sem sofrer", sofrer faz parte, eu já aceitei isso e vocês?

(só não confesso que gosto do sofrimento porque ninguém iria compreender, talvez seja demasiado complexo...)

Talvez viva melhor sem ti

Não vejo motivos para que o meu coração queira saltar do peito quando me chega algo teu (uma frase, uma mensagem, um telefonema), ainda assim ele acelera, como se esse acelerar lhe permitisse ir ao teu encontro. Sabes, esqueço-me, às vezes, de que o meu coração é teu, há meses que te pertence, há meses que se manifesta apenas quando o assunto és tu. Talvez eu te pertença demais... Não mereces o tanto que sinto, merecia que tivesses lutado por mim, merecia mais de ti, merecia que não tivesses desistido na primeira dificuldade. Perceber-me-ás quando me perderes... será que me perdes? Perder-nos-emos um do outro, um dia, já criei tantos cenários e em todos eles nos perdemos, sei que será inevitável. Quero-te perto, mas se te afastares não volto a correr para ti, talvez me canse da luta, ou apenas de lutar por ti.

Projectos

São tantos, demasiados, os projectos que estruturei na minha mente e que acabei por não transpor para a realidade...
Como se as ideias não fossem já demais, comecei outro projecto... a parte interessante foi perceber que consigo enquadrar várias das minhas "antigas" ideias nesta "nova". Agora falta a parte fácil (ironia!) que é aprender sozinha e num curto espaço de tempo o que se aprende numa licenciatura de, actualmente, 3 anos. Wish me luck! :)

Perguntas

Há perguntas que não faço, conversas que deixo a meio, dúvidas que guardo em mim.
Às vezes faço meias perguntas, às vezes digo não querer uma resposta, às vezes tento ignorar as perguntas que me invadem a mente... às vezes consigo transformar grandes dúvidas em perguntas banais e é assim que obtenho respostas, é com meias palavras que componho uma frase, em pequenos gestos que vejo sentimentos, é de pequenos pormenores que extraio personalidades, é com um simples olhar que me transmito.
Sei-te antes de tu saberes e continuam a ser tantas as perguntas... neste momento existe uma pergunta (de entre tantas), para a qual sinto já saber a resposta, e um comentário, uma verdade, que magoaria alguém e, por isso, seria provavelmente mal interpretado. Não é nada fácil desempenhar vários papéis na vida de uma só pessoa...

Respeito

Pensava que a resposta "tenho namorado/a" seria o suficiente para dissuadir alguém da ideia de nos querer ter dessa mesma forma, pelos vistos estava enganada e isso faz-me questionar seriamente os princípios da pessoa que toma conhecimento desta situação e continua a insistir como se nada lhe tivesse sido comunicado. Pergunto-me em que momento se perdeu o respeito pelas relações dos outros ou se calhar as relações passaram a ser vistas como algo fútil que não merece respeito. Se calhar sou eu que estou mal, se calhar sou eu que tenho uma visão retrógrada, se calhar o problema é meu.
Gostar genuinamente de alguém é uma sensação maravilhosa, mas confessar-lhe o que sentimos é uma grande responsabilidade. Parte desse gostar é respeitar e se não se respeita as escolhas do outro, a escolha de querer estar com outra pessoa que não nós, estamos apenas a mostrar o nosso egoísmo, e o ser humano é tão bom a ser egoísta...
Não sou ninguém para dar lições de moral, não vou ser hipócrita e dizer que quero ver a pessoa de quem gosto com outra só porque será feliz, não quero, só de imaginar dói, mas aceito, respeito, se não conseguir lidar com a situação de perto afasto-me. Talvez pensem que são apenas palavras saídas de um enorme cliché, mas quando se gosta luta-se para que a outra pessoa seja feliz, mesmo que doa, mesmo que tenhamos de lutar contra nós próprios, já o fiz, fá-lo-ei novamente se tiver que ser, um dia chegará a minha vez de ser feliz.

Luzes, câmara, apagão...

De vez em quando as lâmpadas da minha nova morada decidem piscar, apagar-se e, após um período de descanso, voltar a funcionar como se nada se tivesse passado. Ora, piscar de luzes e uma fã da série "sobrenatural" não combinam bem... Há minutos a lâmpada da sala partiu (não, não se fundiu, partiu mesmo), não faço ideia de como vou retirar a parte da lâmpada que ficou lá...

A sério luzes, parem lá com isso senão vou começar a ficar assustada. (Mencionei que agora moro sozinha?)

Querer

Queria ouvir-te, por entre suspiros ofegantes, gritar o meu nome, saber que o teu descontrolo se deve somente a mim, que o teu corpo apenas responde instintivamente a cada um dos meus gestos, a cada pequeno avanço meu. Queria poder confiar que as tuas provocações só se dirigem a mim, que as tuas palavras não encontram mais destinatários, que o teu toque já só reconhece a minha pele. Queria ser mais para ti, ser o mundo que prometeste, construir o futuro ao teu lado. Queria ter certeza de que ainda sabes sentir, de que sabes gostar, de que ainda te reconheces mesmo envolto nessa capa de protecção. Queria que deixasses cair as muralhas, que quebrasses as barreiras, que me permitisses entrar em ti. Queria tornar-me a peça que te falta, ser a mulher que sonhaste, queria que fosses o homem que eu vi.
"Queremos demais" ou talvez o verdadeiro problema seja não termos lutado pelo tanto que queremos.

Propostas inusitadas

Recebi um convite para um encontro na lua. Rejeitei porque não sabia como lá chegar :p (mentira, rejeitei por mil e uma outras razões, mas gostava de saber de que forma a pessoa que fez o convite me iria proporcionar um jantar na lua caso tivesse aceite, fica a curiosidade...)

Negação

Não quero pensar, não quero analisar, pela primeira vez não quero perceber. Não quero novamente ser inundada por dúvidas, não quero questionar os meus princípios, as minhas convicções.
Não quero contradizer-me, não quero admitir nem negar o que sinto, não quero descobrir o que sinto, já disse, não quero perceber. É mais fácil, mais simples, se não compreender, se fechar os olhos, só desta vez, é mais fácil se me deixar levar, se me deixar guiar, se confiar ainda mais cegamente do que tenho feito.
Serei quem quiseres que seja, só não te percas completamente de mim.

Magia?

Há alguns meses que trago um elástico no pulso, um simples e discreto elástico preto que simboliza mais do que deixa transparecer. Ao elástico associei um objectivo, uma vontade, um desejo. Há pouco notei que já não trazia esse elástico comigo, não me recordo de o ter tirado, tenho a certeza de que não o tirei, simplesmente desapareceu.
A última vez que o vi, foi pouco depois de ter atingido o objectivo que ele simbolizava, lembro-me de o ter porque olhei para ele e sorri, por saber que tinha conseguido. (não, não o tirei, tenho certeza, acho que ganhou vida própria e fugiu...).

Loucura

Chegaste ao início da noite e de mim te apoderaste como sempre fizeste, como sempre farás. Pegaste a minha mão, pude senti-lo, e sussurraste ao meu ouvido doces palavras de consolo. Olhaste-me e o tempo perdeu o sentido. Senti que o tempo parou. Por breves momentos pude jurar que era real, pude jurar que estavas a meu lado como sempre quis que estivesses... num outro momento, pude jurar que estava louca apenas por considerar a tua presença. Escolhi ser louca, porque a loucura que me assolava em muito se sobrepunha à sanidade, preferi ser louca porque a loucura consentia a tua presença, a sanidade não. Por longas horas me aconchegaste, até que, inevitavelmente, te afastaste de mim. "Não, não vás!" Gritei com força, mas a pouco e pouco, a figura que tanto me fazia recordar, lentamente se desvaneceu ante meus olhos. Apertei-os com força numa tentativa vã de voltar àquele sonho que tantas memórias avivava. Tentei de novo adormecer e, momentaneamente, pude voltar a sentir a pele da tua palma contra a minha. De nada valeu. A dura realidade que governava os meus dias teimava em impor-se e acordei, com a promessa de um dia te voltar a tocar, de um dia te voltar a fazer meu.

*republicação; original de 03/10/2013 às 19h48.

Fazes-me falta

Há pessoas que nos marcam, pessoas que guardamos na memória pelo carinho que nos deram, pela companhia que nos fizeram, pelos conselhos que se esforçaram por nos dar. Há pessoas que nos fazem falta, pessoas que quase adivinham quando precisamos delas. Há pessoas que nos habituam à sua presença, pessoas que acreditamos serem uma constante nas nossas vidas e quando menos esperamos deixam de o ser pelas mais variadas razões.

Tenho saudades das conversas, dos sorrisos, das gargalhadas, saudades do teu espírito compreensivo, da tua amizade, dos teus conselhos, das tuas palavras de esperança, saudades de ti... Fazes-me falta, prometi nunca o sentir e aqui estou eu, a fraquejar... Aprendi tanto contigo... ninguém sabia o quanto éramos próximas, ser-lhes-ia difícil compreender como nasceu tamanha cumplicidade em tão pouco tempo, queria que tivesse sido mais, queria tanto que tivéssemos tido mais tempo. Ficaram tantas histórias por contar, tantas promessas por cumprir (terás a tua dedicatória, não me esqueço ;) ).
Sempre vi uma certa beleza na morte, na tua nada vi, só injustiça e raiva. Partiste cedo demais, deixaste demasiado para trás, uma vida inteira que ficou assim, inacabada... A tua presença tornou-se algo natural, a tua ausência algo impossível de aceitar. Sempre ouvi dizer "só não existe cura para a morte", neste momento a tua morte é a única coisa que desejava curar.

Desculpa por tudo o que não fiz, por tudo o que não disse, desculpa se em algum momento te desiludi, se alguma vez não fui a amiga que precisavas. Obrigada por acreditares em mim, obrigada por tudo, sabes que nunca me vou esquecer de ti.
Passaram 7 anos e continuas a fazer-me tanta falta...

Explicação

- Mar, abandonaste o blog?

Não, ainda não foi desta que se viram livres de mim. O que se passa é que arranjei emprego, mudei de casa e por entre adaptação, mudanças e falta de internet, não tenho conseguido vir ao blog, mas assim que puder compenso a ausência. Não fujam :p
Até já :)

Sonho

Recordo os momentos que partilhámos como se de um sonho se tratasse, intenso e real mas, ainda assim, um sonho, cada vez mais distante. Gostava de não ter que acordar, de não ter que te ver partir. Pelo menos sei que te voltarei a ter, que voltarás a ser meu, até ao dia em que deixares de o ser, até ao dia em que os sonhos contigo terminarem, então voltarei a sentir o vazio de não saber como alimentar os meus sonhos.

Talvez não termine, talvez não mais tenha que te dizer adeus.

*republicação; original de 22/11/2013 às 00h08
*Desafio: Palavrar a cada dia.

Pensamento

Momentos há em que te quero arrancar de mim, do meu ser.
Seria mais simples, seria fácil encarar-te, falar-te, expor os meus anseios que em nada se deveriam a ti, ouvir os teus problemas... Seria mais simples se não me fosses tanto, seria fácil dizer-te "não", doeria menos se esse "não" se dirigisse a mim. Doeriam menos as tuas palavras, a tua ausência de sentimentos, doeria menos quando um dia te deres a outro alguém.
Não consigo arrancar-te de mim, não consigo afastar-te do meu pensamento, mas talvez um dia me possas ensinar a esquecer-te...

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Dor

Toda a dor psicológica é suportável, ainda que não o pareça. Assim acredito, assim espero.
Só reconheço a dor quando esta se materializa em sintomas físicos, só quando dói fisicamente me comprometo a encontrar a causa, a compreendê-la, a compreender-me. Abandono o estado de negação e sigo para a batalha, sei que vencerei, ainda que o desfecho seja inesperado e é isso que me faz ultrapassar a dor, é isso que me faz continuar, é por saber que a minha luta dará bons frutos que continuo a sorrir, que sou feliz, mesmo quando a vida testa todos os meus limites ao mesmo tempo.

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Cidade

Inspiram-me as luzes da cidade à noite. Era capaz de passar horas a percorrer as várias ruas, a descobrir como os vários espaços se moldam à ausência de luz natural, a descobrir como se transformam as pessoas. Ao invés disso, podia passar horas a observar da minha janela a vida lá fora, tentando descortinar sombras, enredos, caminhos.
Sinto, por vezes, a solidão da cidade, uma multidão de pessoas sozinhas, reunidas num mesmo espaço mas absortas no seu próprio mundo. Mesmo sozinha na cidade, não me sinto só, gosto de estar comigo, apenas por vezes se manifesta em mim a vontade de partilhar a cidade com alguém.

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Sentimento

É por sentir que sei ser gente.
Cada um dos sentimentos que carrego fazem-me humana, por isso agradeço todos eles, mesmo os que me magoam, os que me arrancam lágrimas, os que me instigam a desistir.
Somos feitos de sentimentos, não conheço maior dor que a de nada sentir.

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Azul

Perdi-me hoje no azul de um olhar. Na verdade, não foi só hoje, há algum tempo que me lá perco, perco-me desde o segundo em que descobri aquele olhar. Questiono-me como aqueles pequenos olhos me podem fazer tão feliz quando encontram os meus, quando demonstram a vontade de uma aproximação, quando são perseguidos pelo movimento que pede um abraço. É um olhar inocente, ainda não foi atingido pela crueldade que, por vezes, a vida parece transparecer, um olhar carregado de determinação e teimosia.
Tem pouco mais de um aninho e quando olha para mim sei que me transformo na madrinha mais babada do mundo :)

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Água

Há quem viva à espera daquela última gota que faz transbordar o copo, para poder derramar toda a água que se foi acumulando ao longo de horas, dias, semanas, meses, anos... Há quem viva à espera que outra pessoa cometa aquele "erro imperdoável" para poder, finalmente, verbalizar cada pequena coisa que a magoou ao longo do tempo e dar, assim, por terminado aquilo que parecia ser um relacionamento feliz. São desculpas, somente, nada mais. Acreditem, há pessoas assim, que por uma aparente pequena coisa destroem um amor, uma amizade (estúpidas todas elas, todos nós...).  O que ninguém sabe são os erros que elas foram esquecendo, as palavras que as foram atingindo e que tentaram ser desvalorizadas, ninguém conhece todas as gotas que foram enchendo o copo, apenas da última se fala, apenas a última parece importar, quando raramente a última gota é o verdadeiro motivo para se terminar algo.
É por isto que eu não gosto quando se calam, quando colocam mais uma gota no copo que a mim diz respeito sem nem me dar oportunidade para me justificar, para me desculpar, para melhorar. Não gosto que tentem esquecer os meus erros, desvalorizar, tentar perdoar sem me dizerem "tu erraste", assim nunca vou mudar, nunca vou saber o quanto posso estar a magoar alguém, nunca vou crescer.
Não tentem camuflar as minhas gotas de água, mostrem-mas sem medo, só assim conseguiremos fazê-las evaporar.

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Brinde

Contava ter já os papéis assinados em cima da secretária, tangibilizando o atingir de um objectivo há muito ambicionado. Já decorreu algum tempo desde o momento em que preparei as taças, em breve faremos o brinde :)

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Faca

Senti a lâmina deslizar pela pele, abrindo caminho para que o sangue escorresse livre até ao chão. Poderia jurar que o leve formigar se manifestava no meu braço, ainda assim estas memórias não eram minhas, apenas recordações antigas de alguém que não eu.
Não concebo esta auto-flagelação, esta tentativa de substituição da dor psicológica pela física. Não é tudo dor? Será que algum dia pára, será que uma ameniza a outra?
Observo a faca que seguro inocentemente e pergunto-me "porque te torturas?".

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Amor

Não sei falar de amor. Não há palavras suficientes para o descrever, qualquer texto terminará incompleto. Não sei o que é o amor, mas ainda que to negue, sei que a forma como os meus olhos brilham quando penso em ti, quando te ouço falar, denunciam o que me vai no coração. Não sei falar de amor, não sei o que é o amor mas, no que a ti respeita, não encontro melhor palavra para descrever o que me fazes sentir.

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Espera

Disse-lhe que estava na porta de sua casa. Era 1 de Abril e certamente que ele se aperceberia desse pormenor, no entanto, ela quis testar, "brincar" durante segundos apenas para observar a sua reacção. "- Não estou" foi a resposta que lhe chegou, sem qualquer hesitação aparente. Por momentos pensou em insistir, mas convencê-lo de que era real seria maldade a mais, já ela tinha passado por algo semelhante e, relembrando os sentimentos de outrora, percebeu que não poderia transformar-se em quem a tinha magoado.
Ele retomava agora o caminho de casa, confiante, ainda assim, dentro de si, reconhecia uma pequena réstia de receio, receio de que ela estivesse mesmo à porta de sua casa. Como reagiria ele se ela tivesse mesmo cometido essa pequena/grande loucura? Fugiria dela, cumprimentava-a fugazmente tentando fingir ou, quiçá, esconder desinteresse, ou acolhia-a com saudade? Será sempre um mistério ou talvez um dia se saiba a resposta. Ninguém conhece o que se passa na mente dela, talvez um dia se decida a abraçar a loucura e o espere teimosamente à porta de casa.

*Desafio: Palavrar a cada dia.

Palavrar a cada dia

"Palavrar a cada dia" é um desafio que encontrei aqui e, como podem perceber pela imagem, consiste em associar um tema a cada dia do mês, sendo que esse tema deve servir de base para um texto. Como gostei bastante da ideia, vou tentar levar o desafio até ao fim e como já estou dois dias atrasada, hoje vou desculpar-me com o cansaço e fazer só o primeiro tema, amanhã faço os dois seguintes e assim "apanho fio à meada".


P.S. Não esperem nada de extraordinário e, claro, vou continuar a seguir a mesma linha do blog (sim, este blog tem uma lógica, vocês é que ainda não a perceberam... pronto, eu digo... apesar de, na maioria das vezes, os textos parecerem dispersos, imaginados, sou eu que apareço retratada neles, eu, as minhas memórias, os meus sentimentos presentes ou passados, os meus sonhos. Tudo o que escrevo tem um significado para mim, está apenas codificado nas entrelinhas, umas vezes mais ocultas, outras menos).