Pergunto-me constantemente o que sentes, o que sou para ti. Talvez eu não passe de uma lembrança, uma memória do tempo em que tudo era simples

*republicação

Sem comentários:

Enviar um comentário